quarta-feira, 20 de julho de 2016

Balada da despedida

Não é calafrio nem pressentimento ruim mas, assim do nada, deu uma vontade louca de me despedir das pessoas. Um desejo intenso de avisar que estou voltando pro meu planeta. É, aquele, a anos luz daqui.

Vontade de abraçar gente que não vejo há tempos e dizer o quanto já foram importantes pra mim. Pedir desculpas, não por qualquer coisa, mas por todas as coisas que sei que fiz e me arrependo.

Necessidade de fazer as pazes com alguns também. Ir tranquila, sabe? Planeta distante, combustível caro, essas dificuldades de mundos não muito desenvolvidos. Não rola uber nave. Vai saber quando volto ou se volto.

Então, numa espécie de manifesto de adeus digo pra vocês: muito obrigada por tudo!

E esse tudo foi: o carinho; os bons momentos que me fizeram feliz e os maus, que me ensinaram ou tentaram; a paciência; o ombro amigo; a bronca; o riso frouxo; a companhia; a cumplicidade; o amor e várias outras coisas indizíveis.

Adeus.
Gratidão.
Eu tô voltando pra casa!

Um comentário:

liane leipnitz disse...

Carol querida,
estamos todos voltando pra casa...
Até me deu vontade de ouvir a música : " mudaram as estações, tudo mudou e tu és uma querida que tem de voltar SEMPRE!!! Beijo